Archive for December, 2007

Denise

Feliz Natal! Feliz 2008!

 

  

Amigos,

Desejo a todos vocês um Feliz Natal e um excelente Ano Novo, com muitas felicidades, paz, saúde, amor e trabalho!

Acessem meu cartão de Natal: http://www.bioconsciencia.com.br/cartaodenatal/

Até o ano que vem! :-)

 

 

Fonte: http://static.howstuffworks.com

  

Em 2006, os níveis de gás carbônico na atmosfera bateram mais um recorde: a Organização Meteorológica Mundial (OMM) indica que a concentração do gás subiu 0,53% em relação ao ano imediatamente anterior, para 381,2 ppm (partes por milhão). O gás carbônico é o gás que mais contribui para o efeito estufa. Esse índice está 36% acima dos níveis registrados antes da Revolução Industrial, no início do século 18.

Agora, aponta o estudo, a importância relativa do carbono para o aquecimento global também está mais alta. Os números indicam que a nova concentração contribui com 91% do calor total que foi gerado pelos gases de efeito estufa que estão na atmosfera nos últimos cinco anos, contra 87% na década passada.

A OMM também mediu as concentrações de metano e do óxido nitroso, respectivamente, os gases que estão em segundo e terceiro lugares no pódio dos que mais ajudam a aquecer todo o planeta. Enquanto o metano apresentou uma certa estabilidade, o óxido nitroso seguiu o ritmo de alta do gás carbônico. O terceiro gás que mais contribui para o efeito estufa teve um aumento de 0,25% na sua concentração, de 2005 para 2006. A taxa de 320 partes por bilhão é 19 vezes maior do que a taxa pré-Revolução Industrial. A concentração do metano foi de 1.782 partes por bilhão.

Fonte: Folha de São Paulo, Caderno Ciência, 24/11/2007.

Denise

Placebo = Remédio ???

Imagem: www.duplipensar.net

O que é placebo? Segundo o dicionário Houaiss, é uma “preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações de natureza psicológica”. O paciente, sem saber disso, acredita estar recebendo um remédio verdadeiro.

Mas se o placebo é inerte, porque alguns pacientes melhoram apenas com esse tratamento? Acredita-se que o efeito psicológico tem uma base biológica, através da liberação de endorfinas durante o tratamento com placebo.

Um artigo de T Wager et al., publicado na PNAS este ano, avaliou o efeito do placebo no cérebro de voluntários que acreditaram estar recebendo um analgésico. Após ingerir o comprimido, as mãos desses pacientes eram colocadas sobre uma superfície quente, produzindo dor. Durante o experimento, os voluntários faziam tomografias com um aparelho de emissão de pósitrons, conhecido como PET, usando um marcador para a localização das encefalinas. Então, os cientistas conseguiram detectar as áreas ativadas e inativadas durante o estudo.

Os pesquisadores constataram que nos voluntários que receberam placebo, uma série de zonas ligadas à percepção da dor foram ativadas. Ou seja: a expectativa do controle da dor libera uma quantidade de endorfinas, e como estas tem um poder analgésico importante, a pessoa sofre menos.

Wager TD et al. Placebo effects on human m-opioid activity during pain. PNAS 104(26) 11056-11061 (2007).

 

Fonte: http://www.agenciaginga.com.br/

  

O Brasil ficou em oitavo lugar na lista dos países que mais lutam contra as mudanças climáticas, entre as 56 nações mais poluentes do planeta, segundo um índice elaborado pela ONG Germanwatch e que é liderado pela Suécia. O estudo também destaca os esforços do México e da Argentina, mas mostra um alerta em relação à Austrália, Estados Unidos e Arábia Saudita.

O Índice de Performance sobre Mudança Climática 2008 avalia os esforços dos principais países emissores de CO2, e foi elaborado pela Germanwatch por ocasião da 13ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, realizada em Bali (Indonésia).

Entre as 20 primeiras colocações, além do Brasil, estão México (4º lugar) - atrás somente de Suécia, Alemanha e Islândia - e a Argentina (10º lugar). Também fazem parte da lista 12 dos 27 países da União Européia (UE), entre eles Reino Unido (7º), França (18º), Hungria (6º) e Malta (14º).

Os 56 países analisados pelo índice são responsáveis por 90% das emissões de CO2 lançadas à atmosfera. Entre os dez países mais poluentes e que fazem menos esforços destacam-se Rússia (50º), Canadá (53º), Austrália (54º), EUA (55º) e Arábia Saudita (56º).

O objetivo do índice, publicado pela Germanwatch desde 2006, é aumentar a pressão sobre os países industrializados que mais contribuem para o aquecimento global, entre eles EUA, com 21,44% das emissões de CO2; China (18,8%), Rússia (5,69%), Japão (4,47%), Índia (4,23%) e Alemanha (3%).

Fonte: UOL

Denise

Dica de Livro

Capa do Livro - www.artmed.com.br

O avanço da medicina e da genética podem trazer melhorias para o tratamento das doenças mentais. Ainda estigmatizadas e muitas vezes incompreendidas, essas doenças ainda não tem uma pílula mágica que traga a cura.

Neste livro, Nancy Andreasen explica que o objetivo é sermos capazes de combater a esquizofrenia ou a demência de forma tão eficaz quanto combatemos doenças infecciosas. É a descoberta do “Admirável Mundo Novo”, no qual a doença mental se torne pouco freqüente e seja tratada com facilidade. A autora discute as doenças mentais desde os aspectos econômicos e sociais, ao funcionamento dos genes e do DNA. O livro é recheado de relatos de pacientes que possuem essas doenças, além de detalhes técnicos sobre neurociência e genética molecular. Nos capítulos, debate quatro doenças principais: esquizofrenia, demências, transtornos do humor e transtornos de ansiedade, abordando as causas, o que acontece com o paciente e como são tratados esses transtornos.

O livro oferece o estado-da-arte da ciência nessa área, mostrando o que já dominamos a respeito da neurociência e do genoma, e como essas ciências estão sendo utilizadas no estudo das doenças mentais.

Templatesbrowser.com