Archive for June, 2007

Denise

Dia de Vacinação!

Cartaz do MS

 Hoje é dia de vacina contra a poliomielite, para todas as crianças com até 5 anos de idade. O objetivo do Ministério da Saúde é vacinar pelo menos 95% das crianças em 80% dos municípios do País. Para isso, foram montados postos de vacinação nos locais mais diversos: até os shoppings centers e igrejas entraram na roda. Mas isso depende também da conscientização dos pais.

A vacina é importante para evitar que o seu filho tenha paralisia infantil, doença causada pelo poliovírus e transmitida pela água e alimentos contaminados e em lugares onde as condições de higiente e sanitárias são inadequadas. São apenas duas gotinhas: não dói nada, não paga nada. As crianças também receberão doses em atraso na caderneta de vacinação, como a tetravalente (contra difteria, tétano, coqueluche e meningite) e a tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola).

O último caso de poliomielite registrado no Brasil ocorreu em 1989, mas isso não significa que o poliovírus não está por aí… Esse dado só existe porque as campanhas de vacinação têm sido muito eficientes.

Denise

Dica de Livro!

Células-tronco: a nova fronteira da medicina

O livro, organizado por dois professores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP e escrito por 27 especialistas (a maioria da USP), é muito didático e abrangente: vai desde a formação das células-tronco e sua diferenciação em outros tipos de células até como podem ser identificadas e utilizadas.

Fica claro após a leitura que, apesar dos usos promissores no tratamento de diabetes, doenças cardíacas e do sistema nervoso central, por enquanto a única aplicação segura é o transplante de células-tronco hematopoéticas, utilizadas há muitos anos nos transplantes de medula óssea. Porém, hoje já existem inúmeras pesquisas para que no futuro o uso dessas células possa se difundir e se tornar segura em outros casos. Vejam: não estou aqui falando de clonagem, muito pelo contrário. Estou falando do uso de células-tronco para curar doenças.

Destaque para o capítulo final, sobre Bioética, fundamental quando tocamos no assunto!

Denise

Biopirataria

 

Frutas Brasileiras

 

 Você se lembra daquele caso em 2003, quando a empresa japonesa Asahi Foods registrou a marca “cupuaçu” e acabou bloqueando as vendas de produtos brasileiros feitos com essa fruta no mercado americano, japonês e na Europa? Pois é. A história teve final feliz: uma ação judicial no Japão movida por ONGs terminou em vitória para o Brasil, com a revogação do registro. Mas ficou a lição: era preciso prevenir outros ataques do gênero.

Isso acontece porque não existe legislação internacional para evitar esse tipo de usurpação. Por isso, o Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual criou uma lista de três mil nomes de plantas tradicionais do nosso país, como o açai, cupuaçu, umbu, siriguela, cajá, acerola, quiabo e pinhão, para ser enviada a escritórios de patentes de vários países. O objetivo é evitar um novo problema como o da Asahi Foods: quando a marca for requerida, os escritórios poderão saber com antecedência se há apropriação de espécies tradicionais brasileiras.

Resta saber se eles vão consultar a lista antes de fazer o registro… :)

Visite também o site biopirataria e o Link relacionado a este post!

Denise

Malária na África

 

 

 A Organização não-governamental Médicos Sem Fronteiras (MSF) denuncia em seu site que os tratamentos adequados contra a malária continuam a faltar na África, continente onde a doença mata uma criança por minuto. A Organização afirma que suas equipes vêem os pacientes receberem medicamentos antigos, como a cloroquina, mesmo quatro anos depois de a Organização Mundial de Saúde (OMS) ter recomendado a adoção de uma terapia combinada baseada em outro remédio, a artemisina. Em muitos países, o parasita da malária criou resistência aos métodos convencionais. O problema é que a artemisina, mais eficaz, é 10 vezes mais cara.

Denise

Câncer de Mama

 

 

 No Brasil, os casos de morte por câncer de mama ocorrem com mais freqüência em mulheres com 40 - 69 anos, e geralmente a doença é descoberta em estágio avançado. A mamografia é o caminho usual para a identificação precoce do tumor, fundamental para aumentar as chances de sucesso no tratamento. Mas em alguns casos, a imagem do exame não é definitiva, e o médico sugere que a paciente seja submetida a uma biópsia, com a retirada de um pequeno fragmento do tecido mamário para análise anátomopatológica. Porém, apenas uma em cada oito biópsias realizadas confirma as suspeitas de câncer, sendo que as demais têm resultado negativo. Além de serem um transtormo para as pacientes, essas biópsias representam gastos desnecessários para o sistema de saúde.

Pensando nisso, a UMC desenvolveu um novo sistema de processamento de imagens por computador, que melhora a qualidade e a sensibilidade do diagnóstico por meio da mamografia. Com o novo sistema é possível reduzir em 25% o número de biópsias benignas sem diminuir a detecção de casos malignos.

Denise

Dia Mundial do Meio Ambiente

 

Fonte: brasilcultura.com.br

  

Hoje, 5 de Junho, é o Dia Mundial do Meio Ambiente. Com as informações alarmantes dos últimos tempos, a preservação da natureza passou a ser uma preocupação de todos, não apenas dos ambientalistas. Os problemas que hoje já atingem o nosso planeta, como a poluição das águas, a falta de verde nas cidades, o problema do lixo e o aquecimento global, são causados pela atividade humana.
Uma pesquisa da Universidade de Oxford aponta os brasileiros como o terceiro povo cuja preocupação com as mudanças climáticas mais aumentou, passando de 7% no passado para 24% hoje. Também, nós sentimos na pele o efeito do aquecimento global no último verão!
Mas infelizmente ainda nos deparamos com pessoas que, no dia-a-dia, têm hábitos que prejudicam o ambiente, como por exemplo o desperdício de água e energia, ou jogar papel no chão (isso em São Paulo é mais comum que jogar o lixo no lixo!).
O Brasil precisa caminhar muuuito ainda para ser um país que não só tem preocupação com o meio ambiente, mas que faz alguma coisa para protegê-lo. Temos que sair do blá-blá-blá e partir para a ação!

Você pode mudar pequenos hábitos e se tornar ecologicamente correto:

1) Evite o desperdício de água: feche bem as torneiras depois de usá-las, conserte os vazamentos, não abra a torneira no máximo para lavar os pratos, não lave a calçada com a mangueira (se você mora em prédio, oriente o seu zelador). Algumas pessoas possuem cisternas, que armazenam a água da chuva, e usam essa água para lavar a casa. Não é inteligente?

2) Evite o desperdício de energia: Apague as luzes ao sair, não ligue a tevê, o som e o computador ao mesmo tempo (você não está prestando atenção em tudo, não é mesmo?), desligue os aparelhos eletrônicos depois de usá-los.

3) Incentive a reciclagem de material! Hoje em dia muitos prédios têm esse sistema, e o rendimento é muito bom… dá pra abater no condomínio. Se você mora em casa, separe o lixo e leve num supermercado que faça a coleta seletiva, ou entregue para um carroceiro.

4) Ande menos de carro e mais de bicicleta!

5) Plante uma árvore. Se não der, tenha uns vasinhos com flores em casa. Além de tornar o ambiente mais alegre e bonito, o ar agradece sua iniciativa.

6) NUNCA JOGUE LIXO NO CHÃO! Além de emporcalhar a cidade, aquele papelzinho de bala vai encontrar outros, entupir um bueiro e quando chover… enchente! Não custa nada carregar um pouquinho até achar uma lixeira…

Denise

Dica de Livro!

 

  

Um livro muito legal para biólogos é o Métodos de coleta, análises físico-químicas e ensaios biológicos e ecotoxicológicos de sedimentos de água doce, escrito por Antônio Mozeto (UFSCar), Wilson Jardim (Unicamp) e Gisela Umbuzeiro (Cetesb). Durante quatro anos foram coletadas amostras de sedimentos de todo o rio Tietê, desde Salesópolis até o Rio Paraná. As análises físico-química e biológica dos metais e compostos orgânicos dessas amostras deu origem a um sistema de avaliação de qualidade de sedimentos e estabeleceu valores que devem servir de padrão para os órgãos ambientais brasileiros. Muito legal, vale a pena!

Denise

Bactérias da Mata Atlântica

 

Foto: http://www.sosmatatlantica.org.br/

Cientistas brasileiros e americanos estimam que a Mata Atlântica pode conter até 13 milhões de espécies de bactérias que ainda não foram identificadas. Você pode ler esse trabalho aqui. E daí? Daí que além dessas bactérias serem importantes para a manutenção do equilíbrio do ecossistema, elas podem também ser fonte de compostos úteis e ainda desconhecidos para a indústria farmacêutica e a agricultura.
O estudo da filosfera, que corresponde à superfície das folhas, ainda é pouco explorado pela ciência, mas sabe-se que várias espécies de animais, como bactérias e invertebrados, vivem por ali. Para este trabalho foram coletadas mais ou menos 30 folhas de diferentes espécies de árvores da floresta. No laboratório, elas foram processadas e lavadas com uma solução para a remoção dos micróbios da sua superfície, e seus DNA foram analisados. Os pequisadores queriam avaliar o quão semelhantes são, entre si, as comunidades habitantes da filosfera de diferentes espécies de árvores. Durante as pesquisas, os pesquisadores encontraram uma incrível diversidade de microrganismos vivendo na superfície das folhas dessas árvores.
O resultado foi interessante. Árvores de uma mesma espécie apresentam uma variação nas comunidades bacterianas vivendo em suas folhas, mas a variação encontrada entre árvores de diferentes espécies foi muito maior. Eles estimam que cada árvore pode apresentar entre 95 e 671 espécies diferentes. Se o valor for extrapolado de modo a incluir todas as espécies da Mata Atlântica, o total de espécies de bactérias pode alcançar o incrível número de 13 milhões. Agora é preciso identificar as bactérias e estudar qual o papel delas nesse ecossistema.

 

Bacterial Diversity in Tree Canopies of the Atlantic Forest
M. R. Lambais, D. E. Crowley, J. C. Cury, R. C. Büll, and R. R. Rodrigues
Science 30 June 2006: 1917.
The leaves of Brazilian coastal forest trees can harbor hundreds of bacterial species, most of them newly described, with a different subset on each species of tree.

Denise

Medicina Oriental

Você sabia que comer aquela comidinha chinesa com pauzinhos pode causar artrose? É verdade. Pesquisadores americanos estudaram a radiografia de mais de dois mil chineses e observaram sinais da doença nas juntas das mãos que costumam segurar os palitinhos. Mas não é só porque a pessoa come com os palitinhos que ela vai ter artrose! A doença também tem um fator genético importante.