Archive for the 'Saúde' Category

Denise

Chá Verde

 

Imagem: http://lucasouzaglamour.files.wordpress.com

  

Aqui em casa, minha mãe e minha irmã são fãs do chá verde. Eu não consigo tomar, porque acho muito amargo. Mas elas dizem que o esforço vale a pena, já que tantos benefícios são atribuídos a esse chá.

Ele é feito com as folhas da Camellia sinensis, e ajuda na perda de peso, diminui as taxas de colesterol, controla a pressão arterial, ativa o sistema imunológico, diminui o risco de artrose, aterosclerose e outras doenças degenerativas, e tem ação cicatrizante se for usado topicamente. Estudos recentes associam o consumo do chá ao menor risco de desenvolvimento de alguns tipos de câncer. Também pode ser usado em bochechos e gargarejos, prevenindo o aparecimento de cáries.

Segundo alguns nutricionistas, o segredo está na composição do chá, que apresenta altas concentrações de antioxidantes, estimulantes, minerais e teofilina, um vasodilatador potente. Sabe-se que o chá tem ação digestiva e diurética, e é por isso que é tão usado por pessoas que querem emagrecer. Diz-se que o chá também acelera o metabolismo.

Mas não se deve abusar da bebida, já que o chá é rico em cafeína e pode acabar levando a uma gastrite. O ideal é tomar pequenas doses ao longo do dia, e não um litro pela manhã ou à noite, como muitas pessoas fazem.

Fonte: Terra Vida e Saúde

Imagem: www.boasaude.uol.com.br
O dia 24/03 foi escolhido, em 1982, pela OMS e pela União Internacional Contra Tuberculose e Doenças Pulmonares como o “Dia Mundial de Combate à Tuberculose”. A data é uma homenagem aos 100 anos do anúncio do descobrimento do bacilo causador da doença por Robert Koch, em 24 de março de 1882.Na época, a tuberculose matava grande parte da população mundial, e a descoberta do bacilo foi muito importante para o controle da doença. Hoje, a tuberculose mata mais que qualquer outra infecção curável. Diariamente, mais de 20 mil pessoas adoecem e 5 mil morrem vitimadas pelo mal. Os países em desenvolvimento registram 95% dos casos e 98% das mortes pela doença. Atualmente, segundo a OMS, um terço da população mundial está infectada com o bacilo de Koch sem, contudo, desenvolver a doença.

No Brasil o problema é muito sério. O país é o 16º (de 22) com maior número de casos. A taxa de cura (77%) é considerada baixa, se compararmos com a Índia (85%), o Congo (85%) e a China (94%). Por isso, desde 2003, o governo tornou o enfrentamento à tuberculose uma das prioridades do Ministério da Saúde.

As lesões podem aparecer em qualquer parte do organismo humano, mas a mais frequente é a tuberculose pulmonar. A transmissão ocorre de pessoa a pessoa e não por insetos, utensílios, transfusão de sangue ou água. Quando um paciente infectado tosse, espirra ou mesmo fala, os bacilos são lançados no ar, onde permanecem em suspensão, podendo atingir outras pessoas ao entrar nos pulmões pela respiração. Cada paciente pulmonar, se não tratado, pode infectar em média dez a 15 pessoas por ano.Quando o tratamento é realizado adequadamente, a taxa de cura beira os 95%. Porém, um dos principais problemas que enfrentamos é o abandono do tratamento, que é muito longo - 6 meses. Assim que o paciente começa a melhorar, pára de procurar o posto de saúde para retirar o remédio, e acaba ficando doente de novo, desta vez com o bacilo mais resistente. A doença também manifesta-se de maneira oportunista em 15% dos portadores do HIV.
Fonte: Uol
Denise

Dengue no Rio

 

Imagem: http://www.metropolionline.com.br/

 

Em postagens anteriores, já falei sobre a dengue (veja aqui e aqui). Agora, as últimas notícias falam na epidemia de dengue no Rio de Janeiro. Já são 47 mortes por dengue no Estado. Por isso, acho que vale a pena retomar o assunto, rever os sintomas e como prevenir.

A doença é transmitida pelo Aedes aegypti. No verão, aumenta a proliferação desse mosquito, porque aumenta o número de objetos que acumulam água da chuva, como garrafas, pneus, vasos, latas. Esses lugares são chamados de criadouros. Então, a prevenção está nas mãos da própria população: vasculhe o seu terreno e elimine os possíveis criadouros. Lembre-se também que caixas d’água destampadas também são um convite aos mosquitos. Informe seus vizinhos, para que também procurem em seus terrenos e casas. Outra dica é usar um bom repelente.

A doença se manifesta de 3 a 15 dias após a picada. Na dengue clássica, a pessoa apresenta febre alta, dor de cabeça e no fundo dos olhos, dor muscular, náuseas, cansaço, e podem aparecer manchas na pele. A pessoa pode apresentar sangramentos em locais como a gengiva e o nariz. Na dengue hemorrágica, a pessoa apresenta os mesmos sintomas, mas com maior intensidade. É peciso estar atento, porque há risco de morte.

Não há tratamento específico para a dengue, porém os pacientes recebem medicação para aliviar os sintomas. É importante procurar o hospital porque nem todos os remédios podem ser tomados - os que contém ácido acetilsalicílico podem causar hemorragias. Só o médico pode determinar que remédio o paciente deve tomar.

A dengue não é fatal se o paciente tiver o tratamento adequado a tempo. Por isso, se você suspeitar da doença, procure logo um médico, e não faça automedicação.

 

Palestra - Como anda sua memória?
Dia 19 de fevereiro - terça-feira: das 19h às 21h
Lucal: Hospital Alemão Oswaldo Cruz (Rua João Julião, 331 - Paraíso - São Paulo - SP - 14º andar - Anfiteatro)

As inscrições para as palestras são gratuitas e os interessados entrar em contato pelo telefone 3549-0000 e solicitar à telefonista que contate o bip 0158, das 8h às 17h

As vagas são limitadas.

Denise

Adoçante pode ser vilão da dieta

Fonte: www.conteaqui.com.br

A ingestão de sacarina, um tipo de adoçante usado principalmente em refrigerantes diet, pode provocar aumento de peso maior que a ingestão de açúcar. É o que sugere um estudo realizado em ratos por pesquisadores da Purdue University, Indiana. O estudo foi publicado na revista científica “Behavioral Neuroscience”.

Segundo os autores do estudo, o sabor doce da sacarina estimula o sistema digestivo, que se prepara para a ingestão de uma grande quantidade de calorias. Se essas calorias não são ingeridas, o organismo se desregula e, como resultado, pede mais comida ou queima menos calorias, provocando o aumento de peso. A pesquisa gerou grande polêmica.

Os cientistas acompanharam a alimentação de 17 ratos. Nove receberam iogurte adoçado com sacarina e oito com açúcar. Depois do iogurte, os animais receberam a dieta normal. Cinco semanas depois, os ratos que consumiram a sacarina ganharam 88 gramas, e os que ingeriram glicose tiveram um aumento de peso de 72 gramas - uma diferença de mais de 20%. Os ratos que tomaram o iogurte com a sacarina consumiram mais calorias e tiveram aumento de 5% na taxa de gordura do corpo, de acordo com o estudo.

Assim, os resultados sugerem que consumir alimentos adoçados com sacarina pode levar a um aumento de peso e da taxa de gordura maior do que o consumo de açúcares calóricos. Susan Swithers, uma das autoras da pesquisa, explica que as experiências em laboratório indicam ainda que outros adoçantes artificiais, como o aspartame e o acessulfame K, que oferecem o gosto doce, podem ter o mesmo efeito da sacarina.

Fonte: UOL

 

Fonte: http://static.howstuffworks.com

  

Em 2006, os níveis de gás carbônico na atmosfera bateram mais um recorde: a Organização Meteorológica Mundial (OMM) indica que a concentração do gás subiu 0,53% em relação ao ano imediatamente anterior, para 381,2 ppm (partes por milhão). O gás carbônico é o gás que mais contribui para o efeito estufa. Esse índice está 36% acima dos níveis registrados antes da Revolução Industrial, no início do século 18.

Agora, aponta o estudo, a importância relativa do carbono para o aquecimento global também está mais alta. Os números indicam que a nova concentração contribui com 91% do calor total que foi gerado pelos gases de efeito estufa que estão na atmosfera nos últimos cinco anos, contra 87% na década passada.

A OMM também mediu as concentrações de metano e do óxido nitroso, respectivamente, os gases que estão em segundo e terceiro lugares no pódio dos que mais ajudam a aquecer todo o planeta. Enquanto o metano apresentou uma certa estabilidade, o óxido nitroso seguiu o ritmo de alta do gás carbônico. O terceiro gás que mais contribui para o efeito estufa teve um aumento de 0,25% na sua concentração, de 2005 para 2006. A taxa de 320 partes por bilhão é 19 vezes maior do que a taxa pré-Revolução Industrial. A concentração do metano foi de 1.782 partes por bilhão.

Fonte: Folha de São Paulo, Caderno Ciência, 24/11/2007.

Denise

Placebo = Remédio ???

Imagem: www.duplipensar.net

O que é placebo? Segundo o dicionário Houaiss, é uma “preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações de natureza psicológica”. O paciente, sem saber disso, acredita estar recebendo um remédio verdadeiro.

Mas se o placebo é inerte, porque alguns pacientes melhoram apenas com esse tratamento? Acredita-se que o efeito psicológico tem uma base biológica, através da liberação de endorfinas durante o tratamento com placebo.

Um artigo de T Wager et al., publicado na PNAS este ano, avaliou o efeito do placebo no cérebro de voluntários que acreditaram estar recebendo um analgésico. Após ingerir o comprimido, as mãos desses pacientes eram colocadas sobre uma superfície quente, produzindo dor. Durante o experimento, os voluntários faziam tomografias com um aparelho de emissão de pósitrons, conhecido como PET, usando um marcador para a localização das encefalinas. Então, os cientistas conseguiram detectar as áreas ativadas e inativadas durante o estudo.

Os pesquisadores constataram que nos voluntários que receberam placebo, uma série de zonas ligadas à percepção da dor foram ativadas. Ou seja: a expectativa do controle da dor libera uma quantidade de endorfinas, e como estas tem um poder analgésico importante, a pessoa sofre menos.

Wager TD et al. Placebo effects on human m-opioid activity during pain. PNAS 104(26) 11056-11061 (2007).

 

Fonte: http://www.agenciaginga.com.br/

  

O Brasil ficou em oitavo lugar na lista dos países que mais lutam contra as mudanças climáticas, entre as 56 nações mais poluentes do planeta, segundo um índice elaborado pela ONG Germanwatch e que é liderado pela Suécia. O estudo também destaca os esforços do México e da Argentina, mas mostra um alerta em relação à Austrália, Estados Unidos e Arábia Saudita.

O Índice de Performance sobre Mudança Climática 2008 avalia os esforços dos principais países emissores de CO2, e foi elaborado pela Germanwatch por ocasião da 13ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, realizada em Bali (Indonésia).

Entre as 20 primeiras colocações, além do Brasil, estão México (4º lugar) - atrás somente de Suécia, Alemanha e Islândia - e a Argentina (10º lugar). Também fazem parte da lista 12 dos 27 países da União Européia (UE), entre eles Reino Unido (7º), França (18º), Hungria (6º) e Malta (14º).

Os 56 países analisados pelo índice são responsáveis por 90% das emissões de CO2 lançadas à atmosfera. Entre os dez países mais poluentes e que fazem menos esforços destacam-se Rússia (50º), Canadá (53º), Austrália (54º), EUA (55º) e Arábia Saudita (56º).

O objetivo do índice, publicado pela Germanwatch desde 2006, é aumentar a pressão sobre os países industrializados que mais contribuem para o aquecimento global, entre eles EUA, com 21,44% das emissões de CO2; China (18,8%), Rússia (5,69%), Japão (4,47%), Índia (4,23%) e Alemanha (3%).

Fonte: UOL

Denise

Ainda sobre as células-tronco

revista rimed

Mayana Zatz é uma grande cientista, e confesso, a motivadora para que me tornasse bióloga. Numa rápida conversa em 1998, quando eu ainda estava no cursinho, ela me mostrou o quão bonita era a profissão. Respeito muito seu trabalho, seu conhecimento, e obviamente, suas opiniões, e até por isso seu blog está aí ao lado, na lista de Links que eu indico.

Pois no site da Veja.com, na sexta-feira (23/11), a geneticista deu sua opinião sobre a pesquisa recente envolvendo células da pele. Em linhas gerais, a pesquisadora diz que essas células transformadas não substituem as células-tronco embrionárias.

Para ler na íntegra, clique aqui.

Denise

Sobre as células-tronco

 

cienciaviva.org

Dois grupos de pesquisa, um do Japão (Takahashi et al.) e um dos Estados Unidos (Yu et al.), conseguiram fazer com que células da pele de seres humanos regredissem no seu estágio de maturação e passassem a funcionar como células-tronco embrionárias. Os trabalhos foram publicados nas revistas Cell e Science. Assim, elas puderam se diferenciar novamente em outros tipos celulares. E qual a vantagem dessa nova técnica? É possível que, no futuro, essas novas células-tronco possam substituir as embrionárias, que geram tanta polêmica em todo o mundo.  

Hoje, as células-tronco emrionárias são as mais utilizadas, porque podem se diferenciar em qualquer tipo de célula do organismo, e assim possuem um alto potencial terapêutico. Hoje já existem várias pesquisas com doenças degenerativas, como o diabetes tipo 1, esclerose múltipla e mal de Parkinson. Mas sua obtenção depende de embriões que não foram utilizados, e por isso gera muita resistência, tanto da comunidade científica quanto de grupos religiosos.

Esses cientistas utilizaram células da pele e as “reprogramaram”, fazendo com que elas se tornassem células-tronco semelhantes às embrionárias. Assim, elas passaram a funcionar de forma semelhante, e chegaram a se diferenciar em células cardíacas e neuronais. Isso já tinha sido conseguido com células de camundongo, pela equipe japonesa, no ano passado, e desde então, cientistas do mundo todo tentaram repetir os resultados em humanos, porém sem sucesso. 

E como foi que eles conseguiram? Quando um organismo está se desenvolvendo, existem quatro genes específicos ativos, fazendo com que as células embrionárias se diferenciem nos diferentes tipos celulares que formam nosso corpo. Quando finalmente elas atingem esse objetivo, esses genes são desativados. Assim, os cientistas introduziram esses genes em células da pele, utilizando retrovírus. Os dois grupos usaram grupos de genes diferentes, o que torna o resultado mais interessante.

Para entender um pouco mais, você pode ver esse post aqui.

Takahashi et al., Induction of Pluripotent Stem Cells from Adult Human Fibroblasts by Defined Factors. Cell (2007).

Yu et al., Induced Pluripotent Stem Cells Lines Derived from Human Somatic Cells. Science (2007).

- Next »

Templatesbrowser.com